21 de julho de 2011

Mine is the Night, de Liz Curtis Higgs

Existe uma dualidade em mim todas as vezes que me deparo com um romance histórico:
- Eles trazem uma linguagem antiga e tenho que checar o dicionário e/ou glossário a cada 5 linhas;
- Gosto de História por isso é uma oportunidade de rever um fato importante através de personagens fictícios;
- As mulheres da época são tratadas tão mal que fico com raiva e nojo;
- Sempre aprendo alguma coisa valiosa com essa "volta" ao passado.

E a ficção cristã também tem trazido várias histórias baseadas em personagens bíblicos que estamos acostumados a estudar/ler. Alguém quer citar um exemplo que já tenha lido?

Nesse post vou falar um pouquinho sobre o segundo livro de Liz Curtis Higgs baseado na história de Rute, Noemi e Boaz. O primeiro foi Here Burns My Candle (que eu não li. Novidade!).
Mas antes é necessário deixar 2011 para trás e chegarmos ao ano de 1746 na Escócia. Na verdade é necessário entender o contexto histórico de um ano antes. Vocês podem ler o que eram os Jacobitas (isso vai ser citado várias vezes durante o livro). E não tem nada a ver com o William Mel Gibson Wallace de Coração Valente.

Então vamos fazer essa viagem rápida? Vem comigo?

ELA PERDEU TUDO QUE ELA AMAVA.
ELE TINHA TUDO QUE ELA PRECISAVA.
MAS ELA PODERIA ENCONTRAR A CORAGEM DE CONFIAR NELE?

Saindo de uma carruagem surrada em uma chuvosa véspera de Abril, a recém-viúva Elisabeth Kerr tem que começar de novo, sem marido ou título, propriedade ou fortuna. Ela não tem medo de trabalho e é talentosa com uma agulha, mas como costurar os farrapos remanescentes de sua vida? E quem vai remendar seu coração, dilacerado por traição e decepção?

Elisabeth não veio para Selkirk sozinha. Sua sogra, Marjory Kerr, uma mulher arruinada tendo enterrado seu marido, seus filhos e qualquer promessa de netos. Dependente de uma prima distante com recursos escassos, Marjory teme o futuro tanto quanto ela se arrepende do passado. Mesmo assim, alegria ainda vem bater e esperança é frequentemente encontrada em lugares inesperados.
   
Quando mais de um herói digno se apresenta para cortejar Elisabeth, ela faz uma escolha audaz, então tem que confessar o desejo de seu coração. Ele vai recusá-la por orgulho ou vai se render ao amor dela?
A jornada emocionante das mulheres Kerr chega ao final glorioso em Minha é a Noite, uma jóia cintilante de redenção e restauração, ambientada no meio da paisagem aveludada da Escócia do século XVIII. (Tradução livre da sinopse disponível no Skoob)



Título: Mine is the Night*
Autora: Liz Curtis Higgs
Editora: Waterbrook Press
Ano: 2011
Páginas: 464



Se eu precisasse resumir esse livro em uma única palavra seria: TERNO. É uma história... eu não sei explicar, doce, bonita, apaixonante... Terna.
O livro se inicia com a volta de Marjory Noemi Kerr acompanhada de sua nora Elisabeth Rute Kerr, à sua terra natal. Ei, mas agora as coisas não estão tão boas para as duas, elas não têm nada, absolutamente NADA, nem mesmo um teto sobre a cabeça. E agora precisam depender de uma prima distante que também não tem quase nada. Nada mais nada mais quase-nada, de acordo com a matemática é igual a QUASE-NADA.

Elisabeth é o tipo de mocinha que eu gosto, ela sabe se virar e não fica dependendo somente dos outros para sobreviver. "Oh, e agora, meu Deus, meu marido morreu. O que vou fazer? Não sei fazer nada. Sempre fui uma lady, sempre tive servas. Oooooh". NÃO! Bess não é desse tipo. 
Ela também é generosa, sempre pensa nos outros antes dela mesma, principalmente sua sogra Marjory. Na verdade, a relação das duas é tão bonita que todo mundo quer uma sogra assim, hehehe.

Marjory é a imagem do "antes tarde do que nunca". Ela se transforma de uma mulher rica, arrogante e egoísta em uma mulher humilde e dependente da providência divina. Claro, que ela precisou perder tudo antes, né?

E meu queridinho de todos os tempos por enquanto, Almirante Lord Jack Boaz Buchanan, todo fofo, todo-todo. Não que eu seja piriguete literária como umas e outras por aí, mas ele me conquistou. E ele nem é bonito de acordo com uma das garotas que trabalha na casa dele. Mesmo assim o que tem de mulher em Selkirkshire querendo agarrar o solteirão rico não é brincadeira, né dona Rosalind Murray? E eu não me interessei pelo dinheiro dele não, suas más-línguas! Sempre achei esses homens mais velhos e sábios super interessantes. Tá vendo que nem precisa ser bonito? Mas por favor, tem que ter conteúdo.
Impossível não lembrar do Mr. Darcy da outra Elizabeth que nós conhecemos. Na verdade, a narração de Liz Curtis Higgs tem muitas semelhanças com a de Jane Austen.

Para quem se emociona com a história bíblica de Rute e Noemi, tem tudo para se emocionar e gostar da história de Elisabeth e Marjory. Além de conhecer outros personagens tão interessantes e legais quanto elas.

É o primeiro livro da autora que leio, e ela está mais do que aprovada, principalmente porque sempre quis ler a "série" Meninas Más da Bíblia.

Chequem o trailler do livro:

E para quem gosta de SNEAK PEEK, clique AQUI  e leia um pedacinho do livro em PDF(inglês). E não esqueça de avaliar essa resenha logo abaixo. Obrigada!




*Recebi esse livro gratuitamente do WaterBrook Multnomah Publishing Group para essa resenha.
  • Stumble This
  • Fav This With Technorati
  • Add To Del.icio.us
  • Digg This
  • Add To Facebook
  • Add To Yahoo