8 de abril de 2012

Reflexões "Pascoalinas"

Não sei se foi sonho ou se eu estava refletindo sobre o assunto enquanto dormia (isso não acontece com vocês?). Como Jesus se comportaria se ele vivesse em nossa Era? Como Ele trataria as pessoas da nossa geração?

Honestamente, pelo que leio nos Evangelhos, eu não o vejo fazendo campanha anti-gay e anti-aborto. Mas para o arrependido, eu tenho certeza que Ele diria, "Vá e não peques mais". 

Enquanto nós, ditos cristãos, estaríamos torcendo o nariz, puxando os cabelos, gritando, batendo o pé e dizendo, "Quem é esse que se diz Messias e está jantando com esses 'viados'?"

Ele se voltaria para nós e diria, "Vocês não entenderam nada, mesmo depois de dois mil anos! Raça de víboras, vocês só sabem julgar e se acham superiores, mas seus corações estão podres e doentes."

"Tua Palavra nos diz que esses daí (gentalha, gentalha) não tem parte no Teu Reino", rebateríamos.

"A mesma Palavra diz, e foi eu que disse, amem, apenas amem uns aos outros e o mundo vai ver e desejar a diferença que existe na vida de vocês. Se vocês só tivessem seguido essa pequena palavra, o mundo não teria visto guerras, escravidão, e coisas assim." Ele diria mansamente, movimentando a cabeça.

"Mas, mas, mas..."

"E tem mais," Ele completaria, "O que eu disse foi 'ide e fazei discípulos', e não 'ide e fazei cristãos'. Nem lembro dessa palavra no nosso vocabulário. Quando a palavra surgiu para designar a igreja primitiva, era com um sentido extremamente pejorativo. Vocês do século XXI não sabiam disso, né?"

"Mestre," uma jovem que carrega no corpo e na mente o peso de tantos abortos perguntaria, "Não entendo por que existem tantas igrejas diferentes. Não é o mesmo Deus?"

"Ser cristão pode significar o que quer que seja que você queira, por isso a existência de tantas denominações diferentes" Ele responderia calmamente. "Agora, ser discípulo requer muito mais, requer tudo de você, requer que você ame." Ele olharia para nós, os religiosos, os cristãos, com nossa Bíblia debaixo do braço. 

Eu não conseguiria encará-lo. Por que Ele está olhando diretamente para mim como se... como se Ele conseguisse ler meus pensamentos? Ele pode? Pensei que isso era coisa de ficção, tipo aquele vampiro purpurinado e tal...
Oh, não! Eu afastaria aquela memória, mas a outra viria rapidamente. Não! Ele não pode ver isso... Colocaria o peso do meu corpo na outra perna, ainda olhando para o chão. Eu sei que Ele ainda estaria olhando para mim, "lendo" meu coração e minha alma. 
De repente, Ele estaria falando, falando dentro da minha cabeça, "Mostre-me tua história, mostre-me tuas feridas e eu vou te mostrar o que o Amor vê quando olha para você."¹
Para surpresa de todos ao meu redor, eu começaria a chorar. Não qualquer choro, mas daqueles que doem até nas pessoas que ouvem.
"Por quê? Por quê eu?" eu perguntaria. Logo eu que. se pudesse, apedrejaria esses aí que estão sentados na mesa com Ele, mas... mas eu sei que sou um deles também.

Eu sou um deles também...






Esse texto é livremente baseado em uma pregação sobre Cristianismo do pastor Andy Stanley. Completa e total responsabilidade por esse post cai sobre os ombros (e dedos) da autora desse blog.

¹ When Love Sees You (Jesus) do CD "The Story".
  • Stumble This
  • Fav This With Technorati
  • Add To Del.icio.us
  • Digg This
  • Add To Facebook
  • Add To Yahoo