25 de maio de 2012

Praemortis, de Miguel Ángel Moreno

Depois de ler um livro de contos em espanhol e outro com histórias infantis, decidi que meu portuñol já dava pro gasto e que eu é que não iria ficar esperando 20 anos para começar a ler em espanhol assim como fiz com inglês. Procura daqui e dali, me deparei com esse título.
Nas primeiras linhas eu já estava assim Oo. "Ficção científica em espanhol, Aline? Pirou, né?"
Mas sou brasileira e não desisto quase nunca.



Título: Praemortis* (Dioses de Carne #1)
Autor: Miguel Ángel Moreno
Editora: Thomas Nelson
Ano: 2011
Páginas: 319


¿Como seria nuestro mundo si cada ser humano supiera que destino le aguarda tras la muerte? En Praemortis los hombres han decidido olvidar cualquier promesa de vida futura que ofrecen las religiones y se centran en disfrutar su vida presente. El Dr. Veldecker, buscando una cura para su hijo, descubre una formula que hace que los pacientes traspasen la frontera de la vida mortal y descubran lo que les aguardara al morir. El doctor decide destruir la formula que ha llamado Praemortis pero su hijo Robert la conserva en secreto. Robert funda una corporacion donde su fin es controlar a la humanidad. Al parecer solo un ser sobrenatural y misterioso, no humano, que se hace llamar el "Golem" puede cambiar el futuro. La novela pretende adentrarse en las inquietudes existencialistas que todo ser humano posee. Estas son atemporales y ajenas a religiones o variaciones de la sociedad. Praemortis habla de esa inquietud, de la busqueda de respuestas en un mundo que avanza hacia su final.


Após um cataclismo que mudou a geografia da Terra, o mundo como conhecíamos não existe mais.
Por volta de 2269, Dr. Frederick Veldecker estava procurando a cura para a cefaléia que acometia seus filhos (por que ele só parece preocupado com o mais velho, Robert, não é explicado). Claro que o que ele acabou descobrindo foi algo bem mais profundo e assustador, uma droga que leva o ser humano ao outro lado da vida. Mas tudo isso foi antes. Antes de sua morte e de seu filho Robert se tornar o líder da corporação e controlar o Pináculo (o centro do governo).

A vida é bem mais fácil se comparada com a dos antepassados. Nesse novo sistema, as pessoas "trocam" seu trabalho pela oportunidade de ter o Néctar no fim da vida e dessa forma evitar o terror da Vorágine (???). Claro que, se você tiver dinheiro, e pra isso você tem que pertencer à uma das famílias nobres, você não precisa se preocupar porque seu Néctar está garantido.
Soa familiar? O uso de algo que vai prender as pessoas de tal forma que elas não conseguirão enxergar a verdade?

Como eu disse, nem tudo é explicado claramente (ou eu que não entendi mesmo), mas o autor decidiu terminar a história com um FIN DE LA PRIMERA PARTE que me fez quase dar um grito de frustração.
Se o Golem é importante, porque ele não foi explicado mais? (A minha teoria do mal é que ele representa o mesmo que Aslam nas "Crônicas de Nárnia"); mas pela descrição, ele parece com O Coisa do Quarteto Fantástico.
Do lado do Mal, tem o Haymin, que habita nas profundezas do mar, pelo menos é o que parece. O povo tem medo do mar. E até existe uma seita (teoricamente proibida) que adora esse ser.

Representando o exército temos os Confessores, homens treinados para defender o sistema e os nobres, além de servirem como "leitores" da condição das pessoas que estão prestes a morrer (são eles que aplicam o Néctar nos moribundos); além disso, eles lutam contra os "rebeldes".

O livro recebeu 3 estrelas porque eu fiquei "em cima do muro", eu gostei das partes de suspense, mas não gostei da falta de explicação. Claro que sendo um livro de série, as respostas virão (espero).
Valeu a pena deixar meu conforto de ler português/inglês e me arriscar nesse novo "território" linguístico.
Sí, voy leer más libros en español temprano. ;-)



*Recebi esse livro gratuitamente através do Programa BookSneeze®  especificamente para esta resenha.
  • Stumble This
  • Fav This With Technorati
  • Add To Del.icio.us
  • Digg This
  • Add To Facebook
  • Add To Yahoo