8 de novembro de 2012

Vale a pena ouvir #3

Ela já é aquela de 30 (33 na verdade!). Quem não lembra daquela menina de 20 e poucos anos, tocando seu piano, toda tímida, quase sem maquiagem e cantando Don't Know Why?
Desde Come Away With Me, eu sou uma fã contida e discreta da Norah Jones. Sim, sou melancólica e amo essas músicas que posso colocar de fundo quando estou fazendo alguma coisa, ou fazendo nada. E gente, assim como eu, a Norah disse uma vez que ela preferia ficar em casa do que ir para festas e por isso, às vezes, ela se sentia uma jovem senhora. [mega blast sorrisão]
Por isso economizei todos os meus centavinhos de professora e fui nas Americanas comprar o Feels Like Home depois. Já o Not Too Late só fui ouvir com calma quando eu já tinha defendido monografia, me formado e viajado; praticamente um ano depois do lançamento.

Porém com The Fall, eu meio que me senti perdida. Ela veio com um som um tanto mais "pop" e cabelo curto que me deixou confusa. E aquela letra de Young Blood que eu não entendo e nem adianta traduzir que não faz sentido nenhum? O que aconteceu, Norah?
Com o tempo superei a estranheza e me apaixonei por aquele jeito de mandar o carinha lá tomar um bom banho e voltar pra mamãezinha em Tell Your Mama. E sim, consegui ouvir o CD todo até cansar.
Amo a sutileza de músicas que falam da dor de perder um amor sem querer morrer e implorar. Talvez por eu ter sido muito dramática durante um período da minha vida, hoje eu gosto das entrelinhas e da volta por cima sem descer do salto. Escândalo pra quê?
Ah, de acordo com a fofoca oficial, esse foi o primeiro CD que saiu depois que o namoro de 7 anos dela com aquele carinha que tocava baixo e também era produtor nos três primeiros CD's acabou. Por que não pode ser fácil, né colega?
Mesmo assim, senti (e ainda sinto) falta do sarcasmo de My Dear Country.

E 2012 trouxe ...Little Broken Hearts

11- Miriam



Assim que saiu o single Happy Pills eu comentei que até a Norah tinha se rendido a essas músicas de dor de cotovelo do momento e que eu não botava muita fé nisso não.
Mas eu ouvi o CD inteiro e, fala sério, que músicas são essas, mulher?
Ela fez com que músicas sobre perda de um amor, traição, relacionamentos que não dão certo, etc, ficassem tão boas que dá até dor na consciência. Ou vai me dizer que uma música sobre um assassinato era pra ser tão legal assim? 

Agora, eu não sou do tipo ciumenta
Nunca fui do tipo que mata
Mas você sabe que eu sei o que você fez
Então não lute
(...)
Quando você estava se divertindo
Na minha grande e bonita casa
Você pensou duas vezes?
(Miriam)

Se puderem vejam o vídeo dessa música acima e reparem naquele olhar da Norah. O mesmo olhar pode ser visto no vídeo de Happy Pills, que é uma música sobre dar a volta por cima e se livrar de um relacionamento que só te leva pra baixo e te faz sofrer. Amei o filmezinho!

Nunca disse que seríamos amigos
Tentando me manter longe de você
Porque você é notícia ruim, ruim.
(...) 
Você quebrou todas as regras
Não vou ser mais a idiota pra você, meu querido (*-*)


Ela canta até sobre ser "trocada" por uma mulher mais nova (deveria ter uma sobre ser trocada por uma mulher mais velha também hehehe)

Ela tem 22
E ela está te amando
E você nunca vai saber o quanto isso me deixa triste
Isso te faz feliz?
(...)
Você vai só jogar fora
Cada palavra que eu disser
Você pode jogar fora.
Ela te faz feliz? 
Eu gostaria de te ver feliz.
(She's 22)

Dá para colocar mais esse CD no play automático e ouví-lo tomando um chocolate quente enquanto a chuva cai lá fora. Para quem está com calor, tome caldo de cana geladinho.
Apenas lembrem que músicas também contêm altas doses de ficção e aproveitem!
Quem mais gosta dela?
  • Stumble This
  • Fav This With Technorati
  • Add To Del.icio.us
  • Digg This
  • Add To Facebook
  • Add To Yahoo